terça-feira, 31 de maio de 2011

Das coisas que eu NÃO entendo






O relógio marcava muito mais do que 5 horas da manhã quando fui vencida pelo sono.
Reflexões sobre que caminho seguir, sobre que mudanças promover, teorias sobre novos e velhos amigos e um irritante galo velho no quintal dos meus pais me mantiveram acordada ao longo da madrugada.
Esses pensamentos sempre se ocupam de mim quando estou em estado de ócio.
Refletir me tirou o sono porque por mais que eu buscasse não conseguia as  respostas que tanto meu coração anseava;
O cacarejar estridente do galo me recordou um antigo medo das crenças populares advindas do folclore mineiro sobre mau agouro e coisas afins.
Não sei qual dos dois motivos me manteve mais acordada. O que tenho por certo é que não consegui dormir.
As reflexões  me pertubam de tempos em tempos em espaços um tanto quanto largos, os galos, ah os galos sempre me põe medo, trauma de infância não superado.
                                                      Praça do Cruzeiro, Turmalina/MG
Sempre que eu preciso refletir sobre alguma questão fundamental para o bom andamento da minha vida me remeto a lembrança deste lugar como fonte de inspiração e serenidade.
O cruzeiro situado no mirante mais belo da cidade sempre me foi uma espécie de refúgio, um lugar especial, um templo de meditação.
Os mares de morro do relevo mineiro num constante movimento de se sobrepor uns aos outros tornando o horizonte ainda mais infinito me permitem criar mil possibilidades para solucionar meus dilemas.
Havia me prometido que ao acordar me dirigiria a este meu templo particular para buscar as respostas que as horas em claro desta madrugada não me trouxeram.
Amanheceu em Turmalina, n
ão conclui a minha via sacra rumo ao meu destino.
O sol estava forte quando despertei, a ladeira que me separava deste lugar era longa por demais e a minha determinação não se fez mais imponente do que a minha passividade.
Fiquei frustrada. Resolvi não pensar mais.

quinta-feira, 5 de maio de 2011



Hoje, neste dia de tédio, escolhi três álbuns para equalizar a minha energia  e para ocupar um lugar especial em minha cara coleção de música "Boa".
Biquini Cavadão " Só quem  sonha acordado vê o sol nascer"

Depois de alguns anos apresentando aos fãs regravações, com novos e velhos arranjos, o Biquini nos presenteia com a beleza deste álbum composto por canções inéditas.A proposta  deste trabalho é a de te fazer querer intensamente buscar novos horizontes lá onde seus olhos não podem mais enxergar, exatamente onde somente o seu coração consegue sentir mas sem deixar de estar com " um pezinho no chão" que te faça voltar a tua realidade.
A idéia é te fazer acreditar que a rotina pode se tornar o lugar ideal para fazer o melhor da vida acontecer. Descobrir e acrescentar ao cotidiano elementos que tornem o hoje o melhor dia da tua vida sintetizam a essência da obra.
Aplicar isto em cada segundo que você respirar vai te dar um motivo muito grande para acreditar que o melhor da vida vai começar.
Os Paralamas do Sucesso " Brasil Afora".


Esta turnê eu tive a emoção de estar presente. Daquelas emoções que não conseguimos traduzir em palavras para mensurar o quanto nos fez bem.
O trio de Brasilia mantém a beleza do melhor rock nacional anos 80.
Neste álbum canções inéditas como as belas "Meu Sonho" e " A lhe esperar".
Os clássicos dos primeiros anos de Brasilia e outros que foram surgindo Brasil a dentro.
No contexto continuam marcantes a visão política aguçada e descaradamente crítica e romantismo positivista característicos da banda.                                     
Bi e João com a levada instrumental tão peculiar dão cadência ao álbum  
Herbert " em cima daquelas rodas" fazendo o meu, o teu, o nosso coração bater. 


                            Pouca Vogal Gessinger e Leindecker


 Certamente a escolha que me fez esquecer o tédio inicial que me fez adentrar naquela "rara" loja de música.
Com um certo ar de desconfiança escolhi este trabalho muito mais pela curiosidade em saber o que o ícone do rock gaúcho estava se propondo a nos apresentar.
E que apresentação!!!! Que sonoridade!!!! Que espetáculo!!!!
Fiquei arrepiada da primeira a última faixa!
Não meus amigos, não é um dejavu dos Engenheiros do Hawaii (o que não seria nada mal aos nossos ouvidos).
É um outro conceito, uma outra melodia, uma outra cadência.

Destaques para as belas " Pinhal", " O amanhã colorido" e " Ao Fim de Tudo" não se assuste se uma lágrima te surpreender.
Duda, parceiro de Gessinger neste trabalho trouxe leveza ao álbum, quanta delicadeza em cada palavra cantada!
Para os amantes da combinação letra feita om pensamentos muito bem estruturados e boa melodia este é um trabalho digno de estar na lista dos seus 10+.